Make your own free website on Tripod.com
Picture
Picture

Teatro Cristão

Teatro cristão, teatro gospel, teatro evangélico, peças teatrais, textos para teatro, dicas, dramas comédias, adaptações de textos bíblicos, exercícios teatrais, oficinas de teatro.

Nandic

   

Personagens:  

Nandic: Menina de mais ou menos 4 anos de idade

Sumo Otefe: Sumo sacerdote, pai de Nandic

Hanna: Mãe de Nandic

2 soldados

Missionário

   

Parte I 

 (Somente missionário e Sumo Otefe. O Sumo Otefe sentado no chão sobre um tapete ouvindo o missionário. O missionário com a bíblia na mão, lê como para um grande público, para isso inclui a platéia, ou seja, Sumo Otefe está de costas para a platéia.)

  Missionário: Quem nos separará do amor de cristo? Tribulação? Angústia? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Espada? Está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todos os dias, fomos reputados como ovelha para o matadouro, mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, porque ele nos amou: porque estou certo de que nem a morte nem a vida , nem anjos , nem principados, nem potestades, nem o presente, nem o porvir, nem altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura poderá nos separar do amor de Deus, que está em Jesus Cristo, nosso Senhor!

  Sumo Otefe: OH! Senhor missionário, porque demorastes tanto para chegar até aqui? Por que não vieste trazer a verdadeira mensagem há mais tempo? Desconhecíamos toda a verdade, e muitos pecados cometemos por isto. Se soubéssemos antes... Não existiria Oranzin... (tempo) Nandic estaria comigo...

   

Parte II

  Cena 1

  (Som: tempestade, trovões, vento, relâmpagos...)

(Nandic atravessa o palco chamando por sua mãe, volta e fica em conflito de qual caminho a seguir pois a estrada se divide. Um trovão no céu e ela toma a estrada errada. Tudo escurece e os dois soldados gritam e carregam-na para fora do palco. Os soldados voltam para o palco.)

 

Soldado 1: Precisamos comunica-lo.

Soldado 2: Você conta.

Soldado 1: Eu não, você.

Soldado 2: Eu não tenho coragem.

Soldado 1: Nem eu.

Soldado 2: Mas precisamos contar.

Soldado 1: Se não, seremos destruídos. Sumo Otefe terá de cumprir os mandamentos de deus Oranzin.

Soldado 2: Deus Oranzin já deve estar preparando a vingança.

Soldado 1: Nandic é a primeira a pisar lá.

Soldado 2: Deus Oranzin não permitirá isso.

   

Cena 2

 

  (Otefe sentado majestosamente em uma cadeira. Entram soldados fazendo reverências e trazendo Nandic. Otefe levanta-se.)

 

Otefe:  O que está acontecendo aqui?

Soldado 1: Sua filha, senhor sumo sacerdote Otefe, pisou em terá sagrada do templo do deus Oranzin.

Otefe: (aos prantos) Hana, Hana, Hana...

Nandic: (vai até o pai) O que houve papai? Por que esses homens me trouxeram até aqui? Por que o senhor está chorando?

Otefe: Hana...

            (Entra Hana)

Hana: Por que me chamas desta forma, amado meu?

Otefe: Nandic pisou nas terras sagradas de Oranzin. A lei é bem clara quanto a isso:  que seja atirada do mais alto penhasco da cidade, pelo sumo sacerdote do povo, ou todo povo será amaldiçoado por Oranzin. Eu preciso cumprir a lei.

Hana: Não, Nandic, não. Ninguém vai tirá-la de mim. (Pega-a nos braços e vira-se de costas). De meus braços Nandic não sairá. Que todo povo seja morto no lamaçal escaldante. Que larvas incandescentes derramem-se por toda nação, mas ninguém separará Nandic de mim.

            (Os soldados tentam tirar Nandic. Otefe tenta convencer Hana de que é preciso. Nandic chora)

Otefe: Hana, é preciso fazer isso.

Hana: Eu não quero!

Otefe: Eu também não quero!

Nandic: Por que vocês estão brigando assim?

Soldado 1: Precisamos leva-la agora.

Hana: Deixem-na comigo, pelo menos até manhã.

Soldado 2: Todos sabemos que isso é impossível.

Hana: (Joga-se no chão) Se Nandic fosse um menino nada disso estaria acontecendo.

Nandic: Mamãe, não chore, por favor!

            (Hana de joelhos, abraça Nandic)

Hana: Oh! Meu amor!

            (Tempo)

            (Otefe está sentado com a cabeça entre as mãos)

Otefe: Eu não conseguirei, minha única filha.

            (Os soldados tiram-na dos braços da mãe e levam-na)

Nandic: Para onde estão me levando, mamãe? Eu não quero ir, eu quero ficar aqui.

Hana: Vai filhinha, vai.

            (Otefe abraça Hana e sai)

Hana: (No chão) Deuses, maldições, leis, santuários, mandamentos, templos, penhascos...

 

 

Cena 3

 

            (Um soldado em cada lado do palco. Passa sumo Otefe de mãos dadas com Nandic.)

 

Nandic: Aonde estamos indo papai?

Otefe: Nós vamos colher flores do alto do penhasco.

Nandic: Mas mamãe disse que não há flores porque é outono.

Otefe: Então, veremos nossa tribo, lá de cima.

Nandic: Eu estou cansada, papai.

Otefe: Falta pouco filhinha, falta pouco.

            (Otefe vira-se para os soldados e faz um sinal)

Otefe: Não conseguirei, façam vocês.

Soldado 2: Mas é o sumo sacerdote que precisa fazer isso.

Otefe: Sumo sacerdote, mas não o pai.

Nandic: Fazer o que, papai?

Otefe: Vai com eles filhinha, papai logo chega lá.

            (A abraça)

            (Nandic segue os soldados até saírem de cena. O pai fica sozinho em cena com a cabeça entre as mãos. Ouve-se o grito de Nandic)

 

            (Black out total)

 

            (Entra Otefe com um tapete e uma flauta. Desenrola o tapete, senta-se sobre o mesmo no centro do palco e toca um triste hino na flauta doce)

 

 

Denise Kindlein Romio

Inicial Exercícios Textos

Dicas

Links e-mail