Make your own free website on Tripod.com
Picture
Picture

Teatro Cristão

Teatro cristão, teatro gospel, teatro evangélico, peças teatrais, textos para teatro, dicas, dramas comédias, adaptações de textos bíblicos, exercícios teatrais, oficinas de teatro.

 

SANSÃO

 

PERSONAGENS:

 

Narrador (Sansão) -

Anjo -

Mãe de Sansão -

Manoá (Pai de Sansão) -

Sansão -

Irmãos de Sansão - 1 -

                                2 -

                                3 -

Homens de Judá - 1 -

                              2 -

                              3 -

                              4 -

Sogro -

Dalila -

Governadores das 5 cidades - 1 -

                                               2 -

                                               3 -

                                               4 -

                                               5 -

Chefe dos Filisteus -

Povo Filisteu -

 

Narrador : Meu tempo na terra já passou. Foi a mais de mil anos antes de Cristo. E agora de longe ensisto em dizer: Foi duro viver! Uma guerra sem fim.  Matei, apanhei, ganhei, perdi. Nem sabia bem de mim. A história da minha vida eu conto em partes, assim: Minha mãe já estava desistindo de ter filhos. Ela bem que tentava mas eles nunca vinham.  Até que um dia apareceu um anjo de Deus e deu a boa notícia.

 

Anjo: Você não podia ter filhos, por isso nunca foi mãe. Mas agora você ficará grávida e terá um filho. Não tome vinho, nem bebida forte e não coma nenhuma comida proibida, porque você ficará grávida e dará a luz a um filho. Não corte nunca o cabelo dele, pois ele será consagrado a Deus como Narizeu desde o dia de seu nascimento. Ele vai começar a livrar o povo de Israel do poder dos filisteus.

 

Narrador: Os filisteus tinham vindo de longe e queriam mandar, a ferro e a fogo, sobre todas as tribos de Israel, que eram doze. Desde o ventre de minha mãe eu estava sendo chamado para guerrear contra eles, que dominavam o meu povo. Mamãe, feliz da vida, foi correndo contar a meu pai.

 

Mãe de Sansão: Manoá, Manoá... Um homem de Deus falou comigo. Ele parecia um anjo e isso me deixou apavorada. Eu não perguntei de onde ele vinha, e ele não me disse como se chamava. Mas prometeu que eu ficarei grávida e terei um filho. E mandou que eu não bebesse vinho e nem bebida forte e não coma nenhuma comida proibida, pois o menino será dedicado a deus como Narizeu por toda a vida.

 

Narrador: Meu pai era um dos homens mais desconfiados da nossa tribo, chamada tribo de Dã. Achava que minha mãe sonhava demais. Então rezou com força.

 

Manoá: Ó Deus Eterno, peço que mandes de volta o homem que enviaste, para ele nos dizer o que devemos fazer com a criança quando nascer.

 

Narrador: O anjo apareceu outra vez. Mas de novo mostrou-se só para minha mãe. Ela estava trabalhando a terra e foi correndo avisar  meu pai. E ele voou para o campo!  O anjo ainda estava lá, sentado calmamente numa pedra. Meu pai encheu-o de perguntas.

 

Manoá: Você é o homem que falou com a minha mulher?

 

Anjo: Sim, eu mesmo.

 

Manoá: Quando acontecer o que você falou, como é que o menino deverá agir? O que deverá fazer?

 

Anjo: A sua mulher  deve fazer tudo o que eu já disse a ela. Não vai comer nada que seja feito de uvas, nem vinho, nem bebida forte, nem coma o que for proibido e nem corte o cabelo do menino. Ela deverá fazer tudo isso.

 

Manoá: Por favor, não vá embora ainda. Espere, que nós vamos cozinhar um cabrito para você.

 

Anjo: Se eu ficar, não comerei sua comida. Mas se você quiser prepará-la, então a queime como oferta ao Deus Eterno.

 

Manoá: Qual é o seu nome?  Nós precisamos saber para podermos prestar-lhe uma homenagem quando acontecer o que você disse.

 

Anjo: Por que você quer saber o meu nome? O meu nome é um mistério.

 

Narrador: A noite chegara. Meu pai, então, assou o cabrito e fez um sacrifício a Javé-Deus, ali mesmo na pedra onde o anjo estava sentado. Quando a fumaça subia ao céu, o anjo também subiu, junto com a chama mais alta que brilhava na escuridão. Papai ficou com muito medo.

 

Manoá : Nós vamos morrer porque vimos a Deus!

 

Mãe de Sansão:  Se o eterno nos quisesse matar, não teria aceitado nossas ofertas. Ele não nos teria mostrado tudo isso, nem falado todas essas coisas.

 

Narrador:  Então, depois de nove meses, minha mãe deu à luz. Ganhei esse nome: Sansão.  Cresci feliz no acampamento, vendo os meus pais trabalharem a terra. Eu ajudava nas colheitas, e aprendi a ter raiva dos filisteus, que mandavam e desmandavam no meu povo. Meus cabelos cresciam em caracóis e muita gente dizia: - Sansão, você é ainda um aprendiz, mas logo será nosso chefe, nosso juiz! E assim fui ficando adulto, Um rapaz agitado, meio da “pá virada”, virada mesmo. Não é que fui me apaixonar por uma filistéia?  Vi a moça linda, na cidadezinha de Tanna. E aprendi que o coração tem razões que a razão desconhece: Como fui gostar de uma inimiga, filha do povo que nos atrapalhava a vida? Meus pais vendo o meu jeitão estranho, distante, perceberam que alguma coisa estava acontecendo comigo. Eu abri o jogo, contei que meu coração quase saía pela boca quando vi a moça. Eles não gostaram.

 

Sansão: Eu vi em Tanna uma jovem filistéia. Estou apaixonado. Peçam essa moça para mim. Porque eu quero casar com ela.

 

Manoá: Por que é que você foi procurar mulher no meio dos filisteus?  Aquela gente que não pratica a circuncisão?

 

Mãe de Sansão: Será que você não podia achar mulher no meio de nossos parentes ou entre o nosso povo?

 

Sansão: É aquela moça que eu quero. É dela que eu gosto.

 

Narrador: A situação me confundiu, embaralhou meus pensamentos. E quando isso acontecia eu perdia  o controle. Ia sempre a Tanna, para ver minha amada. Certa vez estava perto da cidade, numa montanha  cheia de vinhedos, quando um leão surgiu na estrada. E veio rugindo em minha direção! Foi aí que eu senti a força  das minhas mãos. Despedacei o  bicho como se fosse um franguinho... “ Nada vai impedir esse amor...” pensei. Pensei e agi: Casei-me com ela. É claro que dei uma grande festa, para comemorar como era de costume. Um banquete! Antes dessa festança numa das vezes que percorria o caminho até a casa dela, saí da estrada para ver o leão morto. Na sua carcaça encontrei um enxame de abelhas! E o mel, o mais doce que já havia provado. “Da minha força também vem doçura.” No banquete a imagem do leão e do mel não saía da minha cabeça. Então, provoquei alguns convidados com uma adivinhação:

 

Sansão: Eu tenho uma adivinhação para vocês. Aposto 30 túnicas de linho puro e 30 roupas finas que antes de se passarem os sete dias da festa de casamento, vocês não me darão a resposta.

 

Filisteus (convidados): Diga então. Qual é a adivinhação, Sansão?

 

Sansão: “Do que come saiu comida e do forte saiu doçura.”

 

Narrador: Três dias depois eles ainda não tinham encontrado a reposta para a adivinhação. No quarto dia disseram a minha mulher.

 

Filisteus: Dê um jeito de fazer o seu marido dar-lhe a resposta da adivinhação. Se você não fizer isso, nós vamos por fogo na casa de seus pais, e vamos queimar você junto. Vocês só nos convidaram para poder roubar-nos, não foi?

 

Mulher: (à Sansão)  Você não me ama! Você me odeia! Você deu uma adivinhação a meus amigos e não me contou a resposta!

 

Sansão: Eu não contei nem a meu pai e nem à minha mãe. Por que acha que iria contar a você?

 

Narrador: O riso virou pranto! Ela chorava no meu ombro toda hora, dia após dia. Queria saber a resposta da charada. Uma curiosidade exagerada, esquisita. Os jovens filisteus insistiam com ela, e ela me implorava. A festa estava ficando chata. Até que no sétimo dia eu não agüentei e contei para ela.

 

Filisteus: Que coisa é mais doce que o mel? E que é mais forte que o leão?

 

Sansão: Se vocês não tivessem conversado com a minha mulher, não saberiam a resposta.

 

Narrador: Fiquei uma fera e fui até a cidade de Ascalon, também tomada pelos filisteus. Fora de mim, matei 30 homens e roubei suas roupas e dei para os que tinham acertado a resposta da charada. E voltei para Dã, para meus pais, para a  minha tribo. Perdi a cabeça e minha mulher. Um tempo depois, na época da colheita de trigo, bateu uma saudade forte e resolvi voltar a Tanna. Levei um cabrito para comemorar o reencontro com minha mulher.

 

Sansão: Quero entrar no quarto de minha mulher.

 

Sogro: Eu pensei que você a odiava, por isso a dei em casamento ao seu amigo. Mas a irmã menor é ainda mais bonita. Se você quiser pode ficar com ela.

 

Sansão: Desta vez não serei responsável pelo que eu fizer com os filisteus.

 

Narrador: Guerra é guerra. Olhei para os trigais, tão bonitos e não pensei duas vezes. Juntei trezentas raposas, amarrei tochas de fogo nos seus rabos e soltei pelas plantações dos filisteus. Foi um arraso! Destruí  os campos, os feixes de trigo já colhido, as vinhas e oliveiras. Semeei a fome entre os filisteus! Eles ficaram loucos. E, com medo da minha força, trataram de desforrar em cima do pobre sogro e da minha ex-mulher. Pagaram na mesma moeda: Atearam fogo na casa deles, e,  com isso, incendiaram ainda mais o meu coração revoltado.

 

Sansão: Desgraçados! Pois eu juro que não descansarei até que paguem por isto!

 

Narrador: Pulei sobre alguns deles, bati, apanhei, matei, mas não morri: Fugi, fiquei escondido numa gruta, na caverna da rocha de Etã. A região estava em pé de guerra. As tribos de Judá ficaram encurraladas pelos filisteus, e o culpado era eu.

 

Homens de Judá: Por que vocês nos atacaram?

 

Filisteus: Viemos aqui para prender Sansão e fazer com ele o mesmo que ele fez com a gente.

 

Homens de Judá: (à Sansão) Você não sabe que os filisteus mandam em nós? Por que você foi fazer aquilo?

 

Sansão: Eu fiz com eles o que eles fizeram comigo.

 

Homens de Judá: Os filisteus estão atrás de você. Nós vamos entregá-lo, pois se não fizermos isso eles se vingarão em todos nós.

 

Sansão: Então prometam que vocês não me matarão, e eu não permitirei que eles lhe façam mal.

 

Homens de Judá: Nós vamos somente amarrar você e entregar aos filisteus, não vamos matá-lo.

 

Narrador: E fui entregue. Mas espírito do Deus Eterno, mais uma vez entrou em mim. As cordas pareciam barbante fino, e logo livrei minhas mãos. Perto de mm estava um aqueixada de  jumento, que transformei em arma de luta. Vitorioso cantei.

 

Sansão: “ Com uma queixada de burro eu os amontoei,

                com uma queixada de burro, mil homens matei.”

 

Narrador: Fui até a cidade de Gaza, sem medo dos filisteus. E logo uma mulher me atraiu. Fui para o aconchego de seu quarto. Todo mundo viu o repouso do guerreiro... Os filisteus não iam perder essa chance!

 

Filisteus: Pela manhã o mataremos!

 

Narrador:  Mas eu não era tão desligado assim. Sabia do risco que corria. À meia-noite me levantei, e, enfurecido arranquei a porta da casa. A facilidade com que fiz isso, me fez lembrar do leão de Tanna... o bando que me cercava ao redor da casa levou um susto! Saí da cidade e fui até o alto do monte Hebron.  Dessa vez nenhum filisteu quis me enfrentar.

 

                Ah, o amor... Ele entrava dentro de mim da mesma maneira que o ódio: com muita facilidade. E não fazia diferença de pessoa, nem criava barreira, nem respeitava fronteira. Foi então que apareceu Dalila. Eu a vi pela primeira vez no vale de Soreque. Ela tinha  a beleza da terra  palestina, pele cor de cobre e cabelos muito pretos. Os olhos brilhantes como o sol da manhã. O que eu não sabia é que logo que perceberam o meu interesse por ela, os chefes filisteus a conquistaram antes. Não por amor, mas por dinheiro!

 

Governadores das cinco cidades: Arrume uma maneira de descobrir a fonte da força de Sansão, e como poderemos dominá-lo, e deixá-lo sem defesa. Se você fizer isso, cada um de nós  lhe dará doze quilos e meio de prata.

 

Narrador: Sem saber, foi com Dalila que travei a batalha mais dura de minha vida. Apaixonado e desconfiado, ouvia todo o dia a mesma pergunta, em meio a beijos e abraços.

 

Dalila: Por favor, me conte o segredo de sua grande força. Se alguém quiser amarrar-lhe e deixá-lo sem defesa, o que deve ser feito?

 

Sansão: Se me amarrar com sete cordas novas, que não secaram ainda, eu ficarei fraco e serei como qualquer outro ser humano.

 

Narrador: Dalila arrumou as cordas, e me amarrou bem firme. Mas estranho foi ela gritar logo a seguir:

 

Dalila: Sansão querido, os filisteus vão pegar você!

 

              (Sansão liberta-se num pulo)

 

Dalila: Até agora você mentiu e caçoou de mim. Por favor, meu querido, me diga como alguém pode amarrar-lhe.

 

Narrador: Mesmo um tanto cego pela paixão, eu percebia alguma coisa esquisita. E inventei outra história. Falei para ela me amarrar não com sete, mas com setenta e sete cordas novas. E minha namorada, toda animada, o fez. Eu vi a pressa dela em me amarrar e a força que ela colocava para dar os nós...

 

Sansão: Que estranho casal somos nós.

 

Narrador: Eu não sabia de seu trato com os chefes dos filisteus. Aliás eu não sabia também do pior: Ela antes de me amarrar, colocava alguns homens escondidos em nosso quarto, para que me pegassem na hora certa. E a senha era aquela:

 

Dalila: Sansão querido, os filisteus vão pegar você!

 

           (Sansão arrebenta as cordas)

 

Dalila: Declara-me Sansão, por duas vezes já o meu  amor traíste e zombaste, estou intranqüila, pois quem ama não mente! Declara-me como posso prendê-lo.

 

Sansão: Se você amarrar com um tear as minhas sete tranças e prendê-las no alto com um pino, ficarei fraco como um pássaro.

 

Dalila: Sansão querido, os filisteus vão pegar você!

 

            (Sansão solta-se novamente)

 

Dalila: Por que você diz que me ama se isso não é verdade?  Você me fez de boba três vezes e até agora não me contou o porquê é tão forte. Você não confia em mim, vive me enganando, é por isso que vou lhe deixar.

 

Sansão: Não me deixe, eu lhe peço. A navalha nunca passou sobre minha cabeça, pois sou consagrado a Deus, desde  o seio de minha mãe. Se cortarem meu cabelo, perderei minha força e certamente serei igual aos demais no físico de argila.

 

Narrador: Dalila podia ser tudo, menos boba. Sentiu que agora era verdade. E tratou de garantir o seu. Chamou o chefe dos filisteus e foi bem clara.

 

Dalila: Primeiro a minha prata! Vocês prometeram. Agora vai dar certo, eu garanto.

 

Narrador: Depois de receber o pagamento, preço da minha vida, que entreguei por paixão, começou a opressão. Ela me fez dormir em seu colo, do jeitinho que eu mais gostava, e chamou um dos guerreiros filisteus para cortar as minhas sete tranças: tremi, com o grito:

 

Dalila: Sansão querido, os filisteus vão pegar você.

 

Narrador: Só que agora é pra valer. Não consegui reagir. Nunca me senti tão fraco! Eles me agarraram, e tomados por ódio, furaram os meus olhos. Não tinha mais as tranças que me davam força e nem mais, e nem mais a luz dos meus olhos que iluminavam a vida. A dor de não ver mais o mundo nem Dalila, permanecer na escuridão de minha desobediência, na dor da traição de meu amor. Em troca de todo amor que havia lhe dado, recebi cinismo, cadeia e escuridão. Dalila foi a guerreira mais cruel que  encontrei. Foi a batalha que perdi. Fiquei prezo em Gaza por duas correntes de bronze. E trabalhando girava a pedra do moinho. Minha força , agora igual  a dos outros homens, virava pó, farinha. Mas o filisteus, orgulhosos da sua vitória, não percebia que meu cabelo, teimoso, ia crescendo de novo. Eu era uma atração, a força que virou fraqueza, o vencido que só fazia triturar milho e trigo. O cego que girava, rodava, caminhava dando voltas como um burro de carga.

 

Chefe dos filisteus: Nosso deus Dagon , entregou o nosso maior inimigo.  Deus Dagon derrotou esse que devastou nossas terras e multiplicou nossos mortos.

 

        (Neste momento o povo canta e dança)

 

Chefe dos filisteus: Chame Sansão para ele nos divertir.

 

Sansão:  Deixe-me tocar as colunas que sustentam o templo para que eu possa me encostar nelas.

 

                Senhor Eterno, lembra-te de mim. Esquece os meus tantos erros, os meus muitos crimes, e concede-me a força hércula do gigante uma última vez, para que eu me vingue dos filisteus com um só golpe e que paguem com a morte por terem zombado de ti e adorado ao  deus Dagon.

 

           (Sansão empurra as colunas do templo)

 

               Que eu morra junto com os filisteus!

 

Narrador: Isso tudo aconteceu amais de mil anos antes de Cristo. Era um tempo de guerra sem fim, ai de mim. Ai de tantos que só conheciam o caminho da força para resolver seus problemas. Contei minha vida assim, de memória, para vocês que escutam agora, possam fazer uma outra história. Onde a conversa substitua toda atitude perversa. Onde o coração seja amigo da razão, e a Dalila de Sansão...  E assim governei o povo de Israel por vinte anos.

 

 

Inicial Exercícios Textos

Dicas

Links e-mail